Christmas in the books 2 + Releitura de Dezembro



Sei que ando um bocadinho desaparecida por aqui, mas a vida meteu-se literalmente à frente de tudo o que quero fazer. E também não é mentira que ando encantada com a interação que encontro no canal que tenho no Booktube desde o final de agosto. Sendo assim, nos dias de hoje, sempre que quero partilhar as minhas leituras, as minhas compras literárias ou os meus projetos tendo a fazê-lo primeiro em formato de vídeo e só depois em texto. Por tudo isso, não tenho estado tão presente aqui, mas não me esqueço deste meu cantinho tão especial e, assim sendo, trago-vos um desafio do qual já devem ter ouvido falar – a Isa do canal e blogue Jardim de mil histórias e a Tita do canal e blogue O prazer das coisas voltaram a organizar o desafio natalício – Christmas in the books 2 – e este ano vou participar nele com muito gosto e entusiasmo. Decorrerá entre o dia 24 de novembro e o dia 06 de janeiro, está composto de sete categorias (que poderão consultar na foto que vos deixo aqui) e pôs-me a mexer na estante em busca de sete leituras que estão há bastante tempo à minha espera.

Para além deste desafio, o meu dezembro também contará com a correspondente releitura que advém do projeto que arrancou em setembro – Uma releitura por mês. De tudo isto, falo no vídeo que vos deixo e que ilustra o quanto estou deliciada com a perspectiva de preencher os últimas dias de 2018 com leituras repletas de sabor e com histórias que desejo que sejam daquelas que ficarão comigo por muito, muito tempo!
Convido-vos a participar no desafio da Isa e da Tita e espero que partilhem aqui ou no canal o que acharam das minhas escolhas e aquilo que pretendem ler para finalizar 2018 em grande.
Saborosas leituras para todos que continuam por aqui! Muito obrigada!



As flores perdidas de Alice Hart, de Holly Ringland



Ficha técnica
TítuloAs Flores perdidas de Alice Hart
Autora – Holly Ringland
Editora – Porto Editora
Páginas – 398
Datas de leitura – de 16 a 23 de novembro de 2018

Opinião
Há leituras que são um bálsamo, que nos agasalham nestes dias ventoso, frios e chuvosos. Há leituras que nos salvam um mês que, até ao momento, estava a ser mediano e frouxo. Há leituras que nos presenteiam com uma narrativa poderosa, que deambula por espaços inebriantes e inesquecíveis. Há leituras que nos apresentam personagens feridas, quebradas, sovadas pelos mais próximos e pela vida e que, mesmo assim, não vergam, tentam a todo o custo sobreviver, reerguer-se e encontrar o seu lugar, o seu cantinho. As flores perdidas de Alice Hart foi uma dessas leituras e só isso chegaria para que eu a recomendasse sem qualquer reserva.
Contudo, penso que uma obra com esta carga emotiva, com uma capa belíssima e que é acompanhada por ilustrações não menos belas no seu interior, com uma mensagem tão forte e tão importante merece que se fale dela com mais detalhe e mais cuidado.
Este primeiro romance da autora Holly Ringland chegou até mim como muitos outros chegam – através da passagem da mensagem, através da partilha de opiniões entre bloggers e booktubers. O pouco que li e ouvi da obra serviu para me aguçar a curiosidade e o interesse e para querer lê-la o mais rápido possível. Decidi arriscar um contacto com a Porto Editora e, para gáudio meu, poucos dias depois As flores aterraram na minha caixa de correio. Recebi-as no dia 14 de novembro e iniciei a sua leitura dois dias depois. Morou nas minhas mãos exatamente uma semana, mas ficará comigo, na minha lembrança, muito mais tempo do que meramente sete ou oito dias.
Não é uma leitura de fácil digestão, porque aborda temas dolorosos e que me levaram frequentemente às lágrimas. Mas é uma leitura que se cola a nós e da qual não queremos despegar-nos, por muito que sintamos o estômago a ser esmurrado, por muito que nos arrepiemos de angústia, dor, revolta, compaixão e outros sentimentos mais obscuros. Adotei a protagonista desde a primeira página, senti-a como se fosse alguém muito próximo a mim e a quem queria proteger a todo o custo. É impossível ficarmos indiferentes à Alice, ao seu corpinho franzino, ao seu amor desmesurado pelos cães a quem recorre para amar e ser amada, ao seu fascínio pelos livros infantis e pelas fábulas e ao seu crescimento rodeado de dor, de sofrimento, de perguntas não respondidas, de uma vontade avassaladora de ser amada e de, acima de tudo, encontrar-se a si mesma e ao seu lugar no mundo.
Contudo, As flores perdidas de Alice Hart não se fica apenas pela história esmagadoramente emotiva da sua protagonista. Está povoada de outras mulheres também elas inesquecíveis à sua maneira, de uma linguagem ligada de forma umbilical às flores e à sua correspondente simbologia e de espaços que, emboras fictícios, nos transportam para as paisagens multifacetadas de um país que sempre me fascinou e me vai fascinar – a gigante ilha da Austrália. Desde espaços marítimos até ao magnetismo do deserto, que mesmo agora, com a leitura encerrada, me chegam à memória com um simples fechar de olhos. E se a isto aliarmos o desconcertante facto de esta ter sido apenas a primeira obra que Holly Ringland escreveu, então têm que me dar razão absoluta quando eu afirmo que todos aqueles que se pelam por encontrar uma narrativa muito bem construída, que nos agarra do princípio ao fim, que nos oferece uma protagonista rodeada de silêncios sofridos e de um desejo infinito de respostas e de pertença, que nos faz viajar por espaços mágicos, onde a natureza cria uma relação simbiótica com as personagens, TÊM que dar uma oportunidade a esta obra, porque não se arrependerão!
Creio que já disse tudo. Prefiro não me alongar mais e assim não estragar a vossa leitura. Eu tão-pouco li e vi muitos textos e vídeos sobre estas Flores, pois queria saboreá-las sem saber muito daquilo que elas me iriam reservar. E foi a decisão mais acertada, acreditem!
Antes de terminar e continuando a ser o mais sincera possível, aponto apenas aquilo que me impede de dar a pontuação máxima à leitura – senti, mesmo sabendo que a vida é composta de ciclos, que a última experiência amorosa de Alice era, de alguma forma, desnecessária…
Concluo (agora sim) agradecendo, e muito, a gentileza e celeridade com que a Porto Editora me enviou a obra em troca da sua leitura e correspondente opinião.

NOTA – 9,5/10

Sinopse
Um romance sobre as histórias que deixamos por contar e sobre as que contamos a nós próprios para sobrevivermos.
Alice tem nove anos e vive num local isolado, idílico, entre o mar e os canaviais, onde as flores encantadas da mãe e as suas mensagens secretas a protegem dos monstros que vivem dentro do pai.
Quando uma enorme tragédia muda a sua vida irrevogavelmente, Alice vai viver com a avó numa quinta de cultivo de flores que é também um refúgio para mulheres sozinhas ou destroçadas pela vida. Ali, Alice passa a usar a linguagem das flores para dizer o que é demasiado difícil transmitir por palavras.
À medida que o tempo passa, os terríveis segredos da família, uma traição avassaladora e um homem que afinal não é quem parecia ser, fazem Alice perceber que algumas histórias são demasiado complexas para serem contadas através das flores. E para conquistar a liberdade que tanto deseja, Alice terá de encontrar coragem para ser a verdadeira e única dona da história mais poderosa de todas: a sua.

La delicadeza, de David Foenkinos



Ficha técnica
TítuloLa delicadeza
Autor – David Foenkinos
Editora – Editorial Planeta (Bolsillo)
Páginas – 218
Datas de leitura – de 11 a 12 de novembro de 2018

Opinião
Terceira obra lida em novembro, terceira leitura mediana e que me deixou frustrada e desiludida. Depois de ter lido, em 2015, As recordações, do mesmo autor, parti para esta pensando que seria uma digna sucessora e que me romperia o ciclo de leituras menos saborosas que me acompanham desde o final de outubro… Estava redondamente enganada, como podem comprovar na segunda parte do vídeo (minuto 09:35) que vos deixo abaixo.

NOTA – 06/10



Sinopse
Nathalie es una mujer afortunada. Felizmente casada con François, pasa los días rodeada de risas y libros. Un día la pena llama a su puerta: François muere inesperadamente. Nathalie languidece entonces entre las paredes de su casa y se vuelca en la oficina. Pero justo cuando ha dejado de creer en la magia de la vida, ésta vuelve a sorprenderla y revelarse en su forma más maravillosa.
La delicadeza es la novela de la esperanza y la imaginación, la novela de ese París fascinante en el que el dolor y la vulgaridad se transforman en poesía. Un libro que querrás tener siempre cerca, para deleitarte de nuevo con su elegancia literaria o sonreír con su mordaz ingenio, pero, sobre todo, para recordar que siempre, incluso en los momentos más inesperados, cualquier cosa es posible. 

O segredo de Joe Gould, de Joseph Mitchell



Ficha técnica
TítuloO segredo de Joe Gould
Autor – Joseph Mitchell
Editora – Publicações Dom Quixote
Páginas – 142
Datas de leitura – de 06 a 10 de novembro de 2018

Opinião
Fui para esta leitura com algumas expectativas, apesar de não ser uma leitora assídua de obras de não-ficção. Essas expectativas advinham das opiniões muito positivas com as que tinha tropeçado principalmente no Goodreads, mas, para meu pesar e frustração, não criei empatia nem laços com Joe Gould e com o que Joseph Mitchell, num estilo muito sóbrio e que muito me agradou, nos conta sobre aquele que se intitula como “o último boémio” de Nova Iorque. Vendo o vídeo que vos deixa abaixo, poderão entender melhor por que razão esta leitura se junta a outras que têm feito de novembro um mês mediano e morno…
Se já leste esta obra e tens uma opinião diferente da minha, não hesites – partilha-a aqui! Agradeço-te muito!

NOTA – 06/10



Sinopse
História de um boémio culto, excêntrico e indigente, numa Nova Iorque desconhecida. Uma obra-prima do jornalismo literário.
Salman Rushdie, Julian Barnes, Martin Amis e Doris Lessing são alguns dos escritores do mundo literário que, em 1996, quando este livro foi publicado, se fizeram ouvir chamando a atenção para a sua importância.
Afinal, quem foi esse Joseph Ferdinand Gould, o cândido e inquietante protagonista deste livro? Filho de uma das famílias mais antigas de Massachusetts, licenciado em Harvard, em 1916 rompeu com todos os laços e tradições familiares e foi para Nova Iorque, onde passado pouco tempo iniciou a sua vida de vagabundo. Trabalhava e vivia inteiramente para o seu projeto de escrever uma monumental «História Oral do Nosso Tempo». Ezra Pound e E. E. Cummings, entre muitos outros, interessaram-se pelo projeto e chegaram a falar nele nas revistas em que escreviam. Entretanto, Gould dormia na rua ou em albergues noturnos para mendigos, comia mal e vestia as roupas usadas que os amigos poetas e pintores de Greenwich Village lhe davam. Era frequente vê-lo bêbado e imitando o voo das gaivotas, e a sua História Oral, que ninguém lera ainda, gozava já de uma certa reputação. Com a sua morte, em 1957, os seus amigos empreenderam uma vasta busca do famoso manuscrito nos poisos da Village que ele frequentava. É o surpreendente resultado dessa busca, o «segredo» a que se refere o título, que Joseph Mitchell nos conta na segunda crónica deste livro.

A filha da minha melhor amiga, de Dorothy Koomson



Ficha técnica
TítuloA filha da minha melhor amiga
Autora – Dorothy Koomson
Editora – Porto Editora
Páginas – 448
Datas de leitura – de 02 a 06 de novembro de 2018

Opinião
Dorothy Koomson não era um nome desconhecido para mim. Seria, aliás, quase impossível não ter tropeçado até à data com algum dos seus livros nas muitas vezes que deambulo por livrarias. Contudo, até ter começado a seguir com assiduidade booktubers portugueses, nem a autora nem as suas obras me tinham suscitado qualquer interesse.
Após ter visto/ouvido várias opiniões bastante positivas sobre uma e outra narrativa sua, decidi trazer da biblioteca da terrinha um dos seus romances mais conhecidos e perceber, por mim mesma, se o “buzz” que acompanha Dorothy Koomson iria ao encontro dos meus gostos e daquilo que busco numa obra contemporânea.
Parti para a leitura sem qualquer expectativa e tenho que admitir que “papei” as quase 500 páginas em quatro, cinco dias. Senti que a trama estava escrita de uma forma, simples, despretensiosa e que possuía o necessário para manter o leitor atento e interessado. Gostei da construção e do desenvolvimento das personagens e, apesar, de ter adivinhado o final feliz, não posso dizer que não me tenha agradado comprovar que a vida das protagonistas seguiu um rumo muito satisfatório após ter sido abalroada por uma morte inesperada e castradora como o é qualquer desaparecimento trágico de alguém que nos é muito próximo.
Não estarei a revelar demasiado se disser que a narrativa arranca com a morte da melhor amiga de Kamryn – Adele – e que esta lhe pede encarecidamente que tome conta e mais tarde adopte a sua filha de cinco anos. Também penso que não estarei a cometer nenhum “crime” se revelar que este pedido cai que nem uma bomba na vida de Kamryn, não só porque é solteira e nunca quis ter filhos mas também porque há dois anos atrás havia rompido a amizade com Adele por ter ficado a saber de uma traição muito dolorosa que esta lhe havia feito. Temos, assim, os dados lançados para uma trama que aborde a dor, o luto, a amizade, a traição e uma maternidade nada, nada planeada. Todos eles temas que me dizem muito numa leitura, mas que, infelizmente, nesta obra em particular não me tocaram como eu tanto desejaria.
Quando terminei de lê-la, mesmo antes de registar algumas notas no caderninho, deixei, ainda a quente, umas palavrinhas no Goodreads que resumem aquilo que estou, aqui e agora, a tentar partilhar convosco – não foi uma leitura que me deslumbrou, já que pressupus, perante a premissa, que a obra abordaria de uma forma mais aprofundada e íntima a experiência traumatizante que é a morte repentina de uma jovem que deixa uma filhinha órfã e uma amiga “amputada” daquela que, para todos os efeitos, era a pessoa que melhor a conhecia e entendia. Antecipei uma narrativa muito centrada nessas três personagens e não aceitei de muito bom grado o aparecimento de dois elementos masculinos e, menos ainda, do triângulo amoroso que formarão com Kamryn. Esse triângulo não traz nada para a trama a não ser uma “distração” que leva a que o foco da obra deixe de ser aquilo que verdadeiramente devia de ser, pelo menos para mim – a vida de duas pessoas – uma criança e uma jovem adulta – que fica sem chão quando alguém tão próximo e importante como Adele desaparece.
Dito isto, a minha estreia com Dorothy Koomson não foi, apesar de tudo, uma completa desilusão. Se o tivesse sido, eu teria abandonado a leitura sem remorso algum. Foi agradável, criei laços com a pequenina Tegan (ninguém lhe consegue ficar indiferente, muito menos nós, que somos mães), simpatizei com Kamryn, verti algumas lágrimas em momentos mais sofridos e gostei do ritmo da narrativa, que me fez lê-la rapidamente. Queria mais, é certo, mais aprofundamento em determinadas situações que foram lançadas para a trama e não tiveram o merecido desenvolvimento (maus tratos infligidos a uma criança e consequentes traumas, por exemplo) e menos ligeireza em outras, mas não vou desistir de Dorothy Koomson e dar-lhe-ei mais oportunidades, sobretudo porque a minha biblioteca tem mais obras dela. Um dia destes trago outra que, oxalá, me agrade um pouco mais do que A filha da minha melhor amiga.

NOTA – 06/10

Sinopse
A forte relação de amizade entre Kamryn Matika e Adele Brannon, companheiras desde os tempos de faculdade, é destruída num instante de traição que marcará as suas vidas para sempre.
Anos depois desse incidente, Kamryn é uma mulher com uma carreira de sucesso, que vive sem ligações pessoais complexas, protegendo-se de todas as desilusões. Mas eis que, no dia do seu aniversário, Adele a contacta... A amiga de Kamryn está a morrer e implora-lhe que adote a sua filha, Tegan, fruto da sua ilícita relação de uma noite com Nate.
Terá ela outra escolha? Será o perdão possível? O que estará Kamryn disposta a fazer pela amiga que lhe partiu o coração
Uma viagem dolorosa e comovente de autoconhecimento, uma leitura de cortar a respiração.

Balanço mensal - livros lidos em outubro



Tal como tem sido habitual, em outubro li seis livros – duas releituras e quatro leituras.
Abri o mês terminando a primeira releitura do meu projeto – Uma releitura por mês. Havia começado Malena es un nombre de tango, da minha Almudena no final de setembro e terminei-a nos primeiros dias do mês seguinte. Foi a forma perfeita de arrancar o projeto das releituras e pontuei-a com a nota máxima.
A seguir, peguei na desilusão do mês e abandonei O livro, de Zoran Zivkovic. Posteriormente, li Corações de Pedra, de Simon Scarrow e senti-me defraudada, já que não fui capaz de me ligar com as personagens nem com o estilo do autor. Dai apenas ter-lhe dado 05/10.
As duas obras que se lhe seguiram vieram da biblioteca da terrinha e foram duas recomendações provenientes do Booktube. Refiro-me à obra A contador de filmes, de Hernán Rivera Letelier e a Meio sol amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie. Gostei imenso das duas e dei-lhes a mesma pontuação – 09/10.
Dei continuação ao projeto das releituras com a obra do meu Saramago – O homem duplicado. Foi um reencontro maravilhoso que culminou num final sublime e inesperado e numa nota perto da perfeição – 09/10.
Terminei o mês lendo outra obra da Segunda Guerra Mundial – Dile a Marie que la quiero, de Jacinto Rey. Infelizmente, não me cativou, achei o estilo do autor muito seco e superficial e isso fez com que não penetrasse na narrativa nem ganhasse empatia com a maior parte das personagens. Dei-lhe apenas 06/10.
Outubro foi assim um mês muito heterogéneo, com leituras excelentes e outras medianas. E vocês, que leram? Contem-me tudo.
Deixo-vos, como é habitual, os links para acederem à opinião completa das obras lidas em outubro:
§  Malena es un nombre de tango, de Almudena Grandes
§  Corações de pedra, de Simon Scarrow
§  A contador de filmes, de Hernán Rivera Letelier
§  Meio sol amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie
§  O homem duplicado, de José Saramago
§  Dile a Marie que la quiero, de Jacinto Rey.

Por fim, para aqueles que estejam interessados, deixo o balanço em vídeo.




Dile a María que la quiero, de Jacinto Rey



Ficha técnica
TítuloDile a Marie que la quiero
Autor – Jacinto Rey
Editora – DeBolsillo
Páginas – 366
Datas de leitura – de 28 de outubro a 01 de novembro de 2018

Opinião
Segunda leitura de outubro que me levou a uma temática pela qual tenho uma fixação “ligeiramente” obsessiva – sim, adivinharam: refiro-me à Segunda Grande Guerra. Depois de ter ficado a saber um pouco mais sobre como é que este conflito afetou as ilhas gregas, regressei a cenários mais habituais em narrativas que se debruçam sobre a Guerra de 39-45. Em Dile a Marie que la quiero, a trama centra-se em várias localidades francesas e em Berlim e nos anos finais da contenda.
Comprei esta obra o ano passado, nas férias de verão. Suspeitava que não me iria trazer nada de novo, que não seria uma obra-maestra, mas a dependência e a referida fixação que me unem à Segunda Guerra Mundial fazem com que, muitas vezes, ignore a razão e ceda à tentação de comprar mais uma narrativa que aborde essa guerra tão mortífera e tão fascinante.
Infelizmente, tive que dar razão, já nas primeiras páginas, aos sinais de alerta e à vozinha que me ia sussurrando que esta leitura seria corriqueira e banal. Não fui capaz de criar laços com a grande maioria das personagens e embirrei com o estilo seco e jornalístico do autor. Também considerei forçadas uma ou outra situação e que nada de abonatório acrescentaram a uma narrativa que se manteve sempre frouxa, pouco intensa e sem grandes motivos que prendessem o leitor.
O leque de personagens é considerável. Desde uma jovem aristocrata alemã que rompe com a família para casar-se com um ator judeu, o seu ex-noivo que pertence às SS, um jovem agricultor que, movido por desejos de vingança, se junta à Resistência francesa, outro agricultor seu vizinho que tem comportamentos desumanos e psicopatas até a um carteiro de meia-idade que perdeu recentemente a sua esposa, travamos conhecimento com gente que de imediato apelidamos de “boa e corajosa” e um ou outro que instintivamente queremos que sofra e seja torturado. Todos estão ligados entre si pela menina que dá título à obra, Marie, filha de refugiados alemães e que passa por situações e dores pelas quais nenhuma criança deveria passar.
Pouco mais tenho a dizer sobre esta leitura. Como não correspondeu àquilo que sempre busco numa narrativa do género, sinto que me iria repetir se estendesse esta opinião mais do que já fiz. Creio que apenas ficará comigo (e não por muito tempo…) Marie, com quem estabeleci alguns laços (como estabeleço com qualquer criança) e que muito rapidamente esquecerei as outras personagens e a trama. Sinto-me algo defraudada, acima de tudo, com a pouca profundidade e intensidade que povoam esta narrativa e com a falta de oportunidade do autor, que não conseguiu desenvolver convenientemente uma trama que possui os ingredientes certos e suficientes para poder ser empolgante e memorável.
Sendo assim, não posso atribuir-lhe outra nota que não aquela que espelha o quão, para mim, a leitura da mesma foi mediana.

NOTA – 06/10

Sinopse (muito enganadora, no meu ponto de vista)
Jacinto Rey hilvana una novela que muestra un tapiz de historias protagonizadas por seres humanos golpeados por una guerra que los pone al límite. Acción y emoción se dan la mano para dar sentido a unas palabras que son el motor de una búsqueda, de una posible salida al horror. Dile a Marie que la quiero es una novela magistral, muy bien documentada, que recrea una época convulsa, llena de luces y sombras, para encender la llama de la esperanza en medio de la oscuridad. La mirada y el estilo de Jacinto Rey y su habilidad para construir tramas que nos transportan en un viaje laberíntico a momentos críticos de la historia, especialmente duros, no han pasado desapercibidos por los editores internacionales que ven en Rey atisbos del mejor Ken Follett, Tatiana de Rosnay o Marcus Zusak.

O Homem duplicado, de José Saramago



Ficha técnica
TítuloO Homem duplicado
Autor – José Saramago
Editora – Editorial Caminho
Páginas – 318
Datas de leitura – de 22 a 27 de outubro de 2018

Opinião
Há vinte anos, em outubro de 1998, o mundo prestou a merecida homenagem ao génio das letras que era o meu Saramaguinho. Quis o destino que eu me juntasse a essa homenagem duas décadas depois.
Aos mais distraídos, relembro que, em setembro, dei início a um projeto que tinha guardado na manga há bastante tempo e que me está preencher e a aconchegar muitíssimo – falo-vos do projeto – Uma releitura por mês durante um ano (pelo menos). Ora, essa releitura é sempre uma surpresa que sai de uma caixinha onde moram (ou moravam) doze papéis com doze títulos e quis o destino que em outubro saísse o título O homem duplicado, do meu Saramago!
Recebi esta obra em 2002 e li-a muito provavelmente nesse ano (esqueci-me de anotar a data de leitura). Pouco ou nada me recordava dela, uns fragmentos que se vieram a revelar certeiros e pouco mais. Penetramos na narrativa pela mão de um narrador tipicamente saramaguiano, que intervém muito frequentemente, que tece comentários, que fala com o leitor e que é dono de um estilo que pode não agradar e não ser destrinçado com facilidade. Se observarmos as páginas, comprovamos que as mesmas são compostas de uma mancha densa e uniforme, sem qualquer tipo de quebra a não ser quando mudamos de capítulo. Só isso pode assustar e desmotivar o leitor que não conheça Saramago. Por outro lado, o comentário que se ouve inúmeras vezes, de que o autor não usa pontuação é, à partida, mais um entrave àqueles que estejam com receio de aventurar-se nos livros do nosso Nobel. Não me vou alongar sobre isso, vou apenas dizer que a pontuação existe, há pontos finais e vírgulas, só que estas têm uma função adicional àquela que é a sua principal, de fazer uma quebra curtinha no discurso.
Narrador e estilo apartes, que são dois dos motivos que mais me fazem amar e venerar Saramago, adentrámo-nos na narrativa e conhecemos de imediato o seu protagonista, Tertuliano Máximo Afonso, professor de história do ensino secundário, divorciado, solitário e que se encontra abatido, deprimido, num marasmo que parece não ter fim. Num breve diálogo que entabula com um colega de matemática, recebe deste um conselho que acaba por levar a cabo – distrair-se, alugando um filme de comédia, que não surtirá o efeito pretendido, pois deixará a sua vida enfadonha, rotineira completamente de pernas para o ar. Após ter visionado o filme, já no quentinho da caminha e nos braços do sono, Tertuliano acorda banhado em suor e com a nítida impressão de que há mais alguém em sua casa. Faz vistoria necessária, não encontra ninguém, mas algo no seu inconsciente o faz voltar a ver o filme. E é que se dará conta de algo que lhe passou despercebido no primeiro visionamento. Uma das personagens secundárias, quase figurante, é a sua cara chapada, é igualzinho a ele, sem tirar nem pôr.
Esta descoberta aterradora é o mote para o desenvolvimento da narrativa, para os próximos passos de Tertualiano que o levarão a querer descobrir quem é aquele ator que é um duplicado de si mesmo. Não quero desvendar mais da trama, apenas quero chamar à atenção para o facto de, tal como diz o Hugo (O aprendiz de leitor), a primeira parte da obra ser pausada, mais lenta e os últimos capítulos serem entusiasmantes, com um avanço significativo na ação e que culminam num final soberbo, magistral, de cortar-nos a respiração.
Foi uma releitura muitíssimo saborosa e saciante. Contudo, e porque sou uma admiradora confessa e ferrenha do "meu" Saramaguinho, consigo ter discernimento suficiente para comparar as suas obras, "classificá-las" segundo os meus gostos e exigências e compreender que a O homem duplicado lhe falta alguma coisa para ser dona do brilhantismo e da magistralidade de Memorial do Convento ou Ensaio sobre a cegueira. Termino fazendo uma brevíssima referência ao quanto gostei das personagens femininas (secundárias, é certo, mas donas de uma luz que as faz sobressair e mostrar, uma vez mais, o carinho e amor que o autor sempre pôs nas suas personagens femininas) e ao alerta que sai aos gritos da obra sobre o quão estamos a copiar comportamentos, atitudes, crenças e a perder lentamente aquilo que nos torna únicos, diferentes.

NOTA – 09/10

Sinopse
Tertuliano Máximo Afonso, professor de História no ensino secundário, «vive só e aborrece-se», «esteve casado e não se lembra do que o levou ao matrimónio, divorciou-se e agora não quer nem lembrar-se dos motivos por que se separou», à cadeira de História «vê-a ele desde há muito tempo como uma fadiga sem sentido e um começo sem fim».
Uma noite, em casa, ao rever um filme na televisão, «levantou-se da cadeira, ajoelhou-se diante do televisor, a cara tão perto do ecrã quanto lhe permitia a visão, Sou eu, disse, e outra vez sentiu que se lhe eriçavam os pêlos do corpo»...
Depois desta inesperada descoberta, de um homem exactamente igual a si, Tertuliano Máximo Afonso, o que vive só e se aborrece, parte à descoberta desse outro homem. A empolgante história dessa busca, as surpreendentes circunstâncias do encontro, o seu dramático desfecho, constituem o corpo deste romance de José Saramago.

Meio sol amarelo, de Chimamanda Ngozi Adichie



Ficha técnica
TítuloMeio sol amarelo
Autora – Chimamanda Ngozi Adichie
Editora – Edições ASA
Páginas – 538
Datas de leitura – de 14 a 21 de outubro de 2018

Opinião
Depois de uma visita literária a terras chilenas atravessei o oceano atlântico e entrei em terras nigerianas, as quais nunca havia visitado, nem presencialmente nem literariamente. Creio que não é novidade nenhuma o facto de eu sentir pouco apreço pelo continente africano. Não é nenhum preconceito, não são sentimentos racistas, são outro tipo de reticências, medos, incapacidades e fobias que me fazem pôr uma distância entre a minha pessoa e terras quentes, repletas de miséria e de animais rastejantes que ainda hoje me fazem gritar de medo quando os vejo em imagens de livros ou televisivas. Tenho consciência de que estes medos e sentimentos incapacitantes me fazem ter uma visão estreita, “narrow-minded” de um pedaço de terra sublime, com gente maravilhosa e paisagens de cortar a respiração, mas, mesmo com mais de 40 anos, ainda não consigo pensar de outra forma. Contudo e em meu apanágio, tento combater esses preconceitos lendo e conhecendo autores africanos. Já tinha tropeçado em obras da autora Chimamanda em livrarias, blogues, mas foi preciso ouvir uma booktuber que acompanho assiduamente (Ana The Phoenix flight) a recomendar sem reservas esta obra para tomar a decisão de trazer Meio sol amarelo da biblioteca da terrinha. E, caramba, ainda bem que o fiz!!! Sei que foi o início de uma ligação que continuará a alimentar-se de mais e mais leituras de livros publicados por esta grande escritora, que me deixou rendida ao seu talento e à sua visão deliciosamente pertinente do que são as histórias e do quanto uma única história, uma única visão são estereotipadas e incompletas.
Deixo-vos o correspondente vídeo de opinião que mora no canal de O sabor dos meus livros (a partir do minuto 08:45) e, já agora, o link para a TED talk que a autora deu e que é sublime, tão, tão, mas tão boa que me fez ainda gostar mais dela!
Se alguém já leu Chimamanda e me quiser recomendar alguma obra sua, por favor, não se acanhe! Eu agradeço muito!!!

NOTA – 09/10




Sinopse
Com uma elegância apenas ao alcance dos grandes escritores, Chimamanda Ngozi Adichie entrelaça as vidas de cinco personagens inesquecíveis: Ugwu, um humilde criado de treze anos a quem o mundo se desvendará pela mão do seu senhor, Odenigbo, que, na intimidade da sua casa, planeia uma revolução. Este jovem professor universitário mantém uma relação apaixonada e sensual com a bela e mágica Olanna, cuja irmã gémea, Kainene, é alvo do amor desesperado de Richard, um jovem inglês a braços com o seu papel de homem branco em África. Todos eles vão ser forçados a tomar decisões definitivas sobre amor e responsabilidade, passado e presente, nação e família, lealdade e traição. Todos eles vão assistir ao desmoronar da realidade tal como a conheciam devido a uma guerra que tudo transformará irremediavelmente.