Christmas in the books 2 + Releitura de Dezembro



Sei que ando um bocadinho desaparecida por aqui, mas a vida meteu-se literalmente à frente de tudo o que quero fazer. E também não é mentira que ando encantada com a interação que encontro no canal que tenho no Booktube desde o final de agosto. Sendo assim, nos dias de hoje, sempre que quero partilhar as minhas leituras, as minhas compras literárias ou os meus projetos tendo a fazê-lo primeiro em formato de vídeo e só depois em texto. Por tudo isso, não tenho estado tão presente aqui, mas não me esqueço deste meu cantinho tão especial e, assim sendo, trago-vos um desafio do qual já devem ter ouvido falar – a Isa do canal e blogue Jardim de mil histórias e a Tita do canal e blogue O prazer das coisas voltaram a organizar o desafio natalício – Christmas in the books 2 – e este ano vou participar nele com muito gosto e entusiasmo. Decorrerá entre o dia 24 de novembro e o dia 06 de janeiro, está composto de sete categorias (que poderão consultar na foto que vos deixo aqui) e pôs-me a mexer na estante em busca de sete leituras que estão há bastante tempo à minha espera.

Para além deste desafio, o meu dezembro também contará com a correspondente releitura que advém do projeto que arrancou em setembro – Uma releitura por mês. De tudo isto, falo no vídeo que vos deixo e que ilustra o quanto estou deliciada com a perspectiva de preencher os últimas dias de 2018 com leituras repletas de sabor e com histórias que desejo que sejam daquelas que ficarão comigo por muito, muito tempo!
Convido-vos a participar no desafio da Isa e da Tita e espero que partilhem aqui ou no canal o que acharam das minhas escolhas e aquilo que pretendem ler para finalizar 2018 em grande.
Saborosas leituras para todos que continuam por aqui! Muito obrigada!



As flores perdidas de Alice Hart, de Holly Ringland



Ficha técnica
TítuloAs Flores perdidas de Alice Hart
Autora – Holly Ringland
Editora – Porto Editora
Páginas – 398
Datas de leitura – de 16 a 23 de novembro de 2018

Opinião
Há leituras que são um bálsamo, que nos agasalham nestes dias ventoso, frios e chuvosos. Há leituras que nos salvam um mês que, até ao momento, estava a ser mediano e frouxo. Há leituras que nos presenteiam com uma narrativa poderosa, que deambula por espaços inebriantes e inesquecíveis. Há leituras que nos apresentam personagens feridas, quebradas, sovadas pelos mais próximos e pela vida e que, mesmo assim, não vergam, tentam a todo o custo sobreviver, reerguer-se e encontrar o seu lugar, o seu cantinho. As flores perdidas de Alice Hart foi uma dessas leituras e só isso chegaria para que eu a recomendasse sem qualquer reserva.
Contudo, penso que uma obra com esta carga emotiva, com uma capa belíssima e que é acompanhada por ilustrações não menos belas no seu interior, com uma mensagem tão forte e tão importante merece que se fale dela com mais detalhe e mais cuidado.
Este primeiro romance da autora Holly Ringland chegou até mim como muitos outros chegam – através da passagem da mensagem, através da partilha de opiniões entre bloggers e booktubers. O pouco que li e ouvi da obra serviu para me aguçar a curiosidade e o interesse e para querer lê-la o mais rápido possível. Decidi arriscar um contacto com a Porto Editora e, para gáudio meu, poucos dias depois As flores aterraram na minha caixa de correio. Recebi-as no dia 14 de novembro e iniciei a sua leitura dois dias depois. Morou nas minhas mãos exatamente uma semana, mas ficará comigo, na minha lembrança, muito mais tempo do que meramente sete ou oito dias.
Não é uma leitura de fácil digestão, porque aborda temas dolorosos e que me levaram frequentemente às lágrimas. Mas é uma leitura que se cola a nós e da qual não queremos despegar-nos, por muito que sintamos o estômago a ser esmurrado, por muito que nos arrepiemos de angústia, dor, revolta, compaixão e outros sentimentos mais obscuros. Adotei a protagonista desde a primeira página, senti-a como se fosse alguém muito próximo a mim e a quem queria proteger a todo o custo. É impossível ficarmos indiferentes à Alice, ao seu corpinho franzino, ao seu amor desmesurado pelos cães a quem recorre para amar e ser amada, ao seu fascínio pelos livros infantis e pelas fábulas e ao seu crescimento rodeado de dor, de sofrimento, de perguntas não respondidas, de uma vontade avassaladora de ser amada e de, acima de tudo, encontrar-se a si mesma e ao seu lugar no mundo.
Contudo, As flores perdidas de Alice Hart não se fica apenas pela história esmagadoramente emotiva da sua protagonista. Está povoada de outras mulheres também elas inesquecíveis à sua maneira, de uma linguagem ligada de forma umbilical às flores e à sua correspondente simbologia e de espaços que, emboras fictícios, nos transportam para as paisagens multifacetadas de um país que sempre me fascinou e me vai fascinar – a gigante ilha da Austrália. Desde espaços marítimos até ao magnetismo do deserto, que mesmo agora, com a leitura encerrada, me chegam à memória com um simples fechar de olhos. E se a isto aliarmos o desconcertante facto de esta ter sido apenas a primeira obra que Holly Ringland escreveu, então têm que me dar razão absoluta quando eu afirmo que todos aqueles que se pelam por encontrar uma narrativa muito bem construída, que nos agarra do princípio ao fim, que nos oferece uma protagonista rodeada de silêncios sofridos e de um desejo infinito de respostas e de pertença, que nos faz viajar por espaços mágicos, onde a natureza cria uma relação simbiótica com as personagens, TÊM que dar uma oportunidade a esta obra, porque não se arrependerão!
Creio que já disse tudo. Prefiro não me alongar mais e assim não estragar a vossa leitura. Eu tão-pouco li e vi muitos textos e vídeos sobre estas Flores, pois queria saboreá-las sem saber muito daquilo que elas me iriam reservar. E foi a decisão mais acertada, acreditem!
Antes de terminar e continuando a ser o mais sincera possível, aponto apenas aquilo que me impede de dar a pontuação máxima à leitura – senti, mesmo sabendo que a vida é composta de ciclos, que a última experiência amorosa de Alice era, de alguma forma, desnecessária…
Concluo (agora sim) agradecendo, e muito, a gentileza e celeridade com que a Porto Editora me enviou a obra em troca da sua leitura e correspondente opinião.

NOTA – 9,5/10

Sinopse
Um romance sobre as histórias que deixamos por contar e sobre as que contamos a nós próprios para sobrevivermos.
Alice tem nove anos e vive num local isolado, idílico, entre o mar e os canaviais, onde as flores encantadas da mãe e as suas mensagens secretas a protegem dos monstros que vivem dentro do pai.
Quando uma enorme tragédia muda a sua vida irrevogavelmente, Alice vai viver com a avó numa quinta de cultivo de flores que é também um refúgio para mulheres sozinhas ou destroçadas pela vida. Ali, Alice passa a usar a linguagem das flores para dizer o que é demasiado difícil transmitir por palavras.
À medida que o tempo passa, os terríveis segredos da família, uma traição avassaladora e um homem que afinal não é quem parecia ser, fazem Alice perceber que algumas histórias são demasiado complexas para serem contadas através das flores. E para conquistar a liberdade que tanto deseja, Alice terá de encontrar coragem para ser a verdadeira e única dona da história mais poderosa de todas: a sua.

La delicadeza, de David Foenkinos



Ficha técnica
TítuloLa delicadeza
Autor – David Foenkinos
Editora – Editorial Planeta (Bolsillo)
Páginas – 218
Datas de leitura – de 11 a 12 de novembro de 2018

Opinião
Terceira obra lida em novembro, terceira leitura mediana e que me deixou frustrada e desiludida. Depois de ter lido, em 2015, As recordações, do mesmo autor, parti para esta pensando que seria uma digna sucessora e que me romperia o ciclo de leituras menos saborosas que me acompanham desde o final de outubro… Estava redondamente enganada, como podem comprovar na segunda parte do vídeo (minuto 09:35) que vos deixo abaixo.

NOTA – 06/10



Sinopse
Nathalie es una mujer afortunada. Felizmente casada con François, pasa los días rodeada de risas y libros. Un día la pena llama a su puerta: François muere inesperadamente. Nathalie languidece entonces entre las paredes de su casa y se vuelca en la oficina. Pero justo cuando ha dejado de creer en la magia de la vida, ésta vuelve a sorprenderla y revelarse en su forma más maravillosa.
La delicadeza es la novela de la esperanza y la imaginación, la novela de ese París fascinante en el que el dolor y la vulgaridad se transforman en poesía. Un libro que querrás tener siempre cerca, para deleitarte de nuevo con su elegancia literaria o sonreír con su mordaz ingenio, pero, sobre todo, para recordar que siempre, incluso en los momentos más inesperados, cualquier cosa es posible. 

O segredo de Joe Gould, de Joseph Mitchell



Ficha técnica
TítuloO segredo de Joe Gould
Autor – Joseph Mitchell
Editora – Publicações Dom Quixote
Páginas – 142
Datas de leitura – de 06 a 10 de novembro de 2018

Opinião
Fui para esta leitura com algumas expectativas, apesar de não ser uma leitora assídua de obras de não-ficção. Essas expectativas advinham das opiniões muito positivas com as que tinha tropeçado principalmente no Goodreads, mas, para meu pesar e frustração, não criei empatia nem laços com Joe Gould e com o que Joseph Mitchell, num estilo muito sóbrio e que muito me agradou, nos conta sobre aquele que se intitula como “o último boémio” de Nova Iorque. Vendo o vídeo que vos deixa abaixo, poderão entender melhor por que razão esta leitura se junta a outras que têm feito de novembro um mês mediano e morno…
Se já leste esta obra e tens uma opinião diferente da minha, não hesites – partilha-a aqui! Agradeço-te muito!

NOTA – 06/10



Sinopse
História de um boémio culto, excêntrico e indigente, numa Nova Iorque desconhecida. Uma obra-prima do jornalismo literário.
Salman Rushdie, Julian Barnes, Martin Amis e Doris Lessing são alguns dos escritores do mundo literário que, em 1996, quando este livro foi publicado, se fizeram ouvir chamando a atenção para a sua importância.
Afinal, quem foi esse Joseph Ferdinand Gould, o cândido e inquietante protagonista deste livro? Filho de uma das famílias mais antigas de Massachusetts, licenciado em Harvard, em 1916 rompeu com todos os laços e tradições familiares e foi para Nova Iorque, onde passado pouco tempo iniciou a sua vida de vagabundo. Trabalhava e vivia inteiramente para o seu projeto de escrever uma monumental «História Oral do Nosso Tempo». Ezra Pound e E. E. Cummings, entre muitos outros, interessaram-se pelo projeto e chegaram a falar nele nas revistas em que escreviam. Entretanto, Gould dormia na rua ou em albergues noturnos para mendigos, comia mal e vestia as roupas usadas que os amigos poetas e pintores de Greenwich Village lhe davam. Era frequente vê-lo bêbado e imitando o voo das gaivotas, e a sua História Oral, que ninguém lera ainda, gozava já de uma certa reputação. Com a sua morte, em 1957, os seus amigos empreenderam uma vasta busca do famoso manuscrito nos poisos da Village que ele frequentava. É o surpreendente resultado dessa busca, o «segredo» a que se refere o título, que Joseph Mitchell nos conta na segunda crónica deste livro.