Balanço mensal - livros lidos em novembro



Em novembro, li cinco obras, desisti de um e iniciei outra. Foi um mês bastante heterogéneo, pois as três primeiras leituras foram muito medianas e as outras foram excelentes. Para além disso, li obras em português e em espanhol e li diversos géneros.
Arranquei um mês com uma estreia que me deixou com pouca vontade de continuar a ler a autora. Decidi conhecer o mundo das letras de Dorothy Koomson com a história de A filha da minha melhor amiga, mas, apesar de ter sido uma leitura rápida e fluída, não me cativou e dei-lhe apenas 06/10.
A seguir, também vindo da biblioteca, li O segredo de Joe Gould, de Joseph Mitchell. Tão-pouco me agradou, pois, apesar do estilo limpo e conciso do autor, não criei nenhum tipo de laços com o protagonista. Mais um 06/10.
E como não há duas sem três, atribuí a mesma nota à terceira obra lida em novembro – La delicadeza, de David Foenkinos. Foi a segunda obra que li deste escritor francês, mas pouco ou nada teve a ver com Recordações.
Tentei ler O peso do coração, de Rosa Montero, porque tenho paixão por esta autora espanhola e porque este livro foi um regalito de alguém especial. Contudo, por muito que tenha tentado, não consegui pôr de lado o facto “gigantesco” de a narrativa ser distópica e de eu não gostar nem um pouquinho desse género. Por isso, à página 138, rendi-me e desisti da leitura…
O mês, na sua segunda metade, deu uma reviravolta tremenda e presenteou-me com duas leituras excelentes. A primeira veio diretamente da Porto Editora, que gentilmente ma enviou e entrou de imediato no meu coração. Apaixonei-me pela protagonista de As flores perdidas de Alice Hart, de Holly Ringland e devorei a sua história. Atribuí-lhe 9,5/10 e voltei a sorrir para as minhas leituras. A segunda foi uma colectânea de contos publicada há uns anos para celebrar as letras lusófonas e um determinado aniversário da Fnac. Compõe-se de cinco contos, todos eles muito bons, mas dos quais destaco o que abre e o que encerra a colectânea, de Ondjaki e Dulce Maria Cardoso, respetivamente. Classifiquei-a com um 09/10.
Como veem, foi um mês heterogéneo, que iniciou muito murchinho, mas que terminou quase em apoteose. Falta-me referir que a última semana do mês foi toda ela dedicada à releitura das primeiras 300 páginas de Irmãs de Sangue, de Barbara e Stephanie Keating.
E o vosso mês, como foi? Contem-me tudinho!
Deixo-vos, como é habitual, os links para acederem à opinião completa das obras lidas em novembro:
§  A filha da minha melhor amiga, de Dorothy Koomson
§  O segredo de Joe Gould, de Joseph Mitchell
§  La delicadeza, de David Foenkinos
§  As flores perdidas de Alice Hart, de Holly Ringland
§  O prazer da leitura (volume 4), de vários (ver vídeo)

Por fim, para aqueles que estejam interessados, deixo o balanço em vídeo.




Irmãs de Sangue, de Barbara e Stephanie Keating



Ficha técnica
TítuloIrmãs de Sangue (volume I da trilogia Langani)
Autoras – Barbara e Stephanie Keating
Editora – Edições ASA
Páginas – 672
Datas de releitura – de 24 de novembro a 05 de dezembro de 2018

Opinião
Terceira releitura vinda diretamente da caixinha onde, desde setembro, moravam 12 papelinhos com títulos de obras que pretendo reler para o projeto Uma releitura por mês durante um ano.
Dez anos depois regressei à fazenda Langani e às paisagens deslumbrantes de um Quénia recém-independente. Voltei a ficar arrebatada com uma narrativa que se espraia por quase 700 páginas, mas que contém todos os ingredientes para que nos apaixonemos irremediavelmente por cada pormenor, por cada descrição extasiante de espaços e lugares mágicos que, quem já esteve em África, diz só existirem lá e sobretudo por cada momento de uma belíssima história, povoada por personagens que nos cativam e se deixam ficar connosco.
Estamos nos finais da década de 50. Num colégio interno queniano três jovens conhecem-se e iniciam uma amizade que elas fazem questão de selar com um pacto de sangue e com a promessa que, dê a vida de cada uma as voltas que dê, se apoiarão e estarão sempre presentes umas para as outras. Sarah é filha de pais irlandeses, não conhece outro lar que não aquela terra quente e mágica e adora observar, como se fosse a primeira vez, tudo o que a rodeia, a savana, as florestas e sobretudo os animais que habitam aquelas paragens que sempre considerará como suas. Hannah é filha dos donos da fazenda Langani. Descende de uma família africânder e, por muito que por vezes sinta que as paredes da sua quinta sejam claustrofóbicas, não se consegue imaginar, tal como as suas amigas, longe daquelas terras vermelhas e áridas. Por fim, Camilla, filha de pais ingleses e de origens aristocráticas, vê o Quénia e principalmente a fazenda Langani como o seu verdadeiro lar. Três jovens, muito diferentes, mas que nos cativam por essas mesmas diferenças e que adoramos seguir, ver crescer, acompanhar as suas alegrias, as suas dores, os seus sonhos e as suas desilusões.
Irmãs de sangue é a história destas três amigas, mas é muito mais do que isso. É uma porta para penetrarmos numa época conturbada para muitos países africanos, que conquistaram recentemente a sua independência e que se veem a braços com todas as adversidades dessa maravilhosa conquista. É uma porta que nos permite compreender os dois lados que sempre advêm de uma independência – da povoação autóctone e de todos aqueles que, tendo sido os colonizadores, se sentem como verdadeiros africanos ou, neste caso, verdadeiros quenianos. É ainda um retrato com letras que nos faz ver à nossa frente paisagens naturais de cortar a respiração, calcorreadas por diversas espécies animais que já sentiam o perigo da dizimação e de uma iminente extinção. É por fim o perfeito exemplo de uma união de elementos históricos, geográficos e culturais com elementos ficcionais que fazem desta leitura uma experiência poderosíssima, que me fez, muitas vezes, chorar compulsivamente e sentir uma mistura de sentimentos complexos, desde dor, sofrimento, raiva, desprezo pelo ser humano corrupto e materialista, capaz de assassinar um elefante apenas para tirar-lhe as valiosas presas, até uma vontade inexplicável de conhecer in loco as terras quenianas, eu que sempre digo que só sedada irei ao continente africano.
Acho que não preciso de dizer que vou dar nota máxima a esta releitura e que mal posso esperar para que, da caixinha do sorteio, saia o papelinho com o título do volume II desta trilogia. Quero muitíssimo continuar a seguir as vidas de Sarah, Hannah e Camilla, acompanhar de muito pertinho as suas vidas adultas e compreender como é que a sua amizade continuará firme, mesmo depois de ter sofrido tantos reveses. Sei que será uma experiência, uma releitura tão boa como o foi esta do primeiro volume!
Antes de terminar, quero ainda partilhar convosco uma recordação que se manteve comigo ao longo de toda a releitura. Falo-vos do filme África Minha, um filme já bem antiguinho, com uma Meryl Streep e um Robert Redford bem novinhos e com umas imagens lindíssimas, mágicas do Quénia e uma banda sonora que complementa na perfeição essa beleza deslumbrante desse país que chama por mim! Se puderem, vejam este filme e deslumbrem-se!

NOTA – 10/10

Sinopse
Quénia, 1957. Durante a infância, três meninas de meios sociais muito diferentes tornam-se irmãs de sangue: a irlandesa Sara Mackay, a africânder Hannah van der Beer e a britânica Camilla Broughton Smith juram que nada nem ninguém quebrará o laço que as une. Mas o que o futuro lhes reserva vai pôr à prova os seus sonhos e certezas.
Separadas pela distância e pelas obrigações familiares, as três jovens são atiradas para um mundo de interesses em conflito. Camilla alcança o sucesso como modelo na animada Londres da década de 1960; Sarah Mackay é enviada para a universidade na sua Irlanda natal, uma experiência penosa que apenas fortalece a sua determinação de voltar para África; e a família de Hannah Van der Beer esforça-se para manter a fazenda que os seus antepassados africânderes erigiram na viragem do século. Os seus laços serão constantemente postos à prova e, a par do exotismo de África, a sua amizade será pano de fundo para interesses amorosos cruzados e promessas quebradas.

Christmas in the books 2 + Releitura de Dezembro



Sei que ando um bocadinho desaparecida por aqui, mas a vida meteu-se literalmente à frente de tudo o que quero fazer. E também não é mentira que ando encantada com a interação que encontro no canal que tenho no Booktube desde o final de agosto. Sendo assim, nos dias de hoje, sempre que quero partilhar as minhas leituras, as minhas compras literárias ou os meus projetos tendo a fazê-lo primeiro em formato de vídeo e só depois em texto. Por tudo isso, não tenho estado tão presente aqui, mas não me esqueço deste meu cantinho tão especial e, assim sendo, trago-vos um desafio do qual já devem ter ouvido falar – a Isa do canal e blogue Jardim de mil histórias e a Tita do canal e blogue O prazer das coisas voltaram a organizar o desafio natalício – Christmas in the books 2 – e este ano vou participar nele com muito gosto e entusiasmo. Decorrerá entre o dia 24 de novembro e o dia 06 de janeiro, está composto de sete categorias (que poderão consultar na foto que vos deixo aqui) e pôs-me a mexer na estante em busca de sete leituras que estão há bastante tempo à minha espera.

Para além deste desafio, o meu dezembro também contará com a correspondente releitura que advém do projeto que arrancou em setembro – Uma releitura por mês. De tudo isto, falo no vídeo que vos deixo e que ilustra o quanto estou deliciada com a perspectiva de preencher os últimas dias de 2018 com leituras repletas de sabor e com histórias que desejo que sejam daquelas que ficarão comigo por muito, muito tempo!
Convido-vos a participar no desafio da Isa e da Tita e espero que partilhem aqui ou no canal o que acharam das minhas escolhas e aquilo que pretendem ler para finalizar 2018 em grande.
Saborosas leituras para todos que continuam por aqui! Muito obrigada!



As flores perdidas de Alice Hart, de Holly Ringland



Ficha técnica
TítuloAs Flores perdidas de Alice Hart
Autora – Holly Ringland
Editora – Porto Editora
Páginas – 398
Datas de leitura – de 16 a 23 de novembro de 2018

Opinião
Há leituras que são um bálsamo, que nos agasalham nestes dias ventoso, frios e chuvosos. Há leituras que nos salvam um mês que, até ao momento, estava a ser mediano e frouxo. Há leituras que nos presenteiam com uma narrativa poderosa, que deambula por espaços inebriantes e inesquecíveis. Há leituras que nos apresentam personagens feridas, quebradas, sovadas pelos mais próximos e pela vida e que, mesmo assim, não vergam, tentam a todo o custo sobreviver, reerguer-se e encontrar o seu lugar, o seu cantinho. As flores perdidas de Alice Hart foi uma dessas leituras e só isso chegaria para que eu a recomendasse sem qualquer reserva.
Contudo, penso que uma obra com esta carga emotiva, com uma capa belíssima e que é acompanhada por ilustrações não menos belas no seu interior, com uma mensagem tão forte e tão importante merece que se fale dela com mais detalhe e mais cuidado.
Este primeiro romance da autora Holly Ringland chegou até mim como muitos outros chegam – através da passagem da mensagem, através da partilha de opiniões entre bloggers e booktubers. O pouco que li e ouvi da obra serviu para me aguçar a curiosidade e o interesse e para querer lê-la o mais rápido possível. Decidi arriscar um contacto com a Porto Editora e, para gáudio meu, poucos dias depois As flores aterraram na minha caixa de correio. Recebi-as no dia 14 de novembro e iniciei a sua leitura dois dias depois. Morou nas minhas mãos exatamente uma semana, mas ficará comigo, na minha lembrança, muito mais tempo do que meramente sete ou oito dias.
Não é uma leitura de fácil digestão, porque aborda temas dolorosos e que me levaram frequentemente às lágrimas. Mas é uma leitura que se cola a nós e da qual não queremos despegar-nos, por muito que sintamos o estômago a ser esmurrado, por muito que nos arrepiemos de angústia, dor, revolta, compaixão e outros sentimentos mais obscuros. Adotei a protagonista desde a primeira página, senti-a como se fosse alguém muito próximo a mim e a quem queria proteger a todo o custo. É impossível ficarmos indiferentes à Alice, ao seu corpinho franzino, ao seu amor desmesurado pelos cães a quem recorre para amar e ser amada, ao seu fascínio pelos livros infantis e pelas fábulas e ao seu crescimento rodeado de dor, de sofrimento, de perguntas não respondidas, de uma vontade avassaladora de ser amada e de, acima de tudo, encontrar-se a si mesma e ao seu lugar no mundo.
Contudo, As flores perdidas de Alice Hart não se fica apenas pela história esmagadoramente emotiva da sua protagonista. Está povoada de outras mulheres também elas inesquecíveis à sua maneira, de uma linguagem ligada de forma umbilical às flores e à sua correspondente simbologia e de espaços que, emboras fictícios, nos transportam para as paisagens multifacetadas de um país que sempre me fascinou e me vai fascinar – a gigante ilha da Austrália. Desde espaços marítimos até ao magnetismo do deserto, que mesmo agora, com a leitura encerrada, me chegam à memória com um simples fechar de olhos. E se a isto aliarmos o desconcertante facto de esta ter sido apenas a primeira obra que Holly Ringland escreveu, então têm que me dar razão absoluta quando eu afirmo que todos aqueles que se pelam por encontrar uma narrativa muito bem construída, que nos agarra do princípio ao fim, que nos oferece uma protagonista rodeada de silêncios sofridos e de um desejo infinito de respostas e de pertença, que nos faz viajar por espaços mágicos, onde a natureza cria uma relação simbiótica com as personagens, TÊM que dar uma oportunidade a esta obra, porque não se arrependerão!
Creio que já disse tudo. Prefiro não me alongar mais e assim não estragar a vossa leitura. Eu tão-pouco li e vi muitos textos e vídeos sobre estas Flores, pois queria saboreá-las sem saber muito daquilo que elas me iriam reservar. E foi a decisão mais acertada, acreditem!
Antes de terminar e continuando a ser o mais sincera possível, aponto apenas aquilo que me impede de dar a pontuação máxima à leitura – senti, mesmo sabendo que a vida é composta de ciclos, que a última experiência amorosa de Alice era, de alguma forma, desnecessária…
Concluo (agora sim) agradecendo, e muito, a gentileza e celeridade com que a Porto Editora me enviou a obra em troca da sua leitura e correspondente opinião.

NOTA – 9,5/10

Sinopse
Um romance sobre as histórias que deixamos por contar e sobre as que contamos a nós próprios para sobrevivermos.
Alice tem nove anos e vive num local isolado, idílico, entre o mar e os canaviais, onde as flores encantadas da mãe e as suas mensagens secretas a protegem dos monstros que vivem dentro do pai.
Quando uma enorme tragédia muda a sua vida irrevogavelmente, Alice vai viver com a avó numa quinta de cultivo de flores que é também um refúgio para mulheres sozinhas ou destroçadas pela vida. Ali, Alice passa a usar a linguagem das flores para dizer o que é demasiado difícil transmitir por palavras.
À medida que o tempo passa, os terríveis segredos da família, uma traição avassaladora e um homem que afinal não é quem parecia ser, fazem Alice perceber que algumas histórias são demasiado complexas para serem contadas através das flores. E para conquistar a liberdade que tanto deseja, Alice terá de encontrar coragem para ser a verdadeira e única dona da história mais poderosa de todas: a sua.