Uma história de amor e trevas, de Amos Oz


Ficha técnica
Título – Uma História de amor e trevas
Autora – Amos Oz
Editora – Edições ASA
Páginas – 640
Datas de leitura – de 06 a 16 de outubro de 2016

Opinião
Já se passou quase uma semana desde que terminei a leitura desta obra. Só hoje consegui encontrar um pedacinho de tempo livre para ordenar as ideias e começar a estruturar este texto. Contudo, não posso apenas culpar o acumular de trabalho. Tenho, sim, a perfeita consciência de que não me sentei à frente do computador imediatamente depois do fecho da leitura porque esta foi algo dececionante.
É o que acontece quando as expectativas são demasiado altas. É o que acontece quando espreitamos o trailer da adaptação cinematográfica da obra, ficamos paralisados de emoção perante as imagens que correm diante dos nossos olhos e assumimos que o que estamos a ver corresponderá quase literalmente ao que vamos descobrir nas imensas páginas que compõem o livro que, desde junho, espera que o retiremos da estante.
Não me assustam os calhamaços. Pelo contrário. Quanto mais páginas, melhor. Mais o autor poderá aprofundar, detalhar acontecimentos. Mais poderemos conhecer as personagens e as circunstâncias que as rodeiam. Mais tempo estará a obra juntinho a nós. No entanto, tenho que reconhecer que os dez dias em que Uma história de amor e trevas me fez companhia fizeram-me questionar essa preferência por obras volumosas. Logo nas primeiras páginas pressenti que tinha colocado a fasquia das expectativas muito lá em cima. Lado a lado com passagens absolutamente fabulosas, que sublinhei com encantamento, fui-me deparando com descrições às vezes exasperantes de gentes, de espaços e de acontecimentos ligados a Israel e à demanda judia. Descrições e apontamentos repetitivos e que, na minha perspetiva, nada acrescentavam ao desenrolar da narrativa.
Uma história de amor e de trevas é autobiográfica. Conta-nos, na primeira pessoa, a infância do autor, a sua juventude e oferece-nos imagens e notas que fazem a ponte entre o seu passado e o seu presente. Compreendemos, à medida que a narrativa desenrola, as dificuldades que os judeus foram ultrapassando para encontrar o seu canto de terra, o seu lar, a sua pátria. Percebemos ainda que Israel é a última etapa de uma vida de luta, de fuga, de discriminação, de genocídio de um povo extremamente culto. Entendemos por fim que nem todos os judeus e os árabes se veem uns aos outros como um pérfido inimigo e que uns e outros sentem que poderia haver espaço para uma pacífica convivência entre ambos os povos.
Quando embarco na leitura de uma obra deste género não espero apenas que a ação se centre apenas no dia-a-dia das personagens. Quero que essa rotina se misture com uma contextualização histórica adequada porque só essa junção traz aquele saborzinho a um suculento romance histórico. Contudo, creio (e é apenas a minha opinião, vale o que vale) que o autor complicou demasiado, mastigou muito aquilo que, em muito menos páginas, seria uma interessante narrativa autobiográfica. Cansou-me ter que ler dia após dia os detalhes das pessoas que eram íntimas da sua família. Bufei de aborrecimento perante capítulos e capítulos de pormenores dos seus familiares, sobretudo as personagens mais secundárias. Não tive a paciência necessária para ler passagens que se foram repetindo ao longo da obra como, por exemplo, a ideia de que a mãe falava pouco quando familiares e amigos se reuniam, mas que quando o fazia, a conversa não mais voltava a ser a mesma. Custa-me reconhecer, mas estas passagens maçudas obrigaram-me a fazer batota e a lê-las na diagonal…
Sendo assim, tenho que reconhecer aquilo que é evidente naquilo que escrevi até ao momento. Não foi uma leitura fácil. Senti-me fraudulenta e só não desisti da obra por causa do incentivo do maridinho (que já a havia lido), de opiniões bastante favoráveis que a obra mereceu por parte de pessoas em quem confio muito e de que talvez o final me pudesse surpreender. E assim foi. Nas derradeiras cem páginas (mais ou menos), o maçudo desaparece e a leitura flui. Estabelece-se uma ligação mais próxima entre leitor e personagens principais, recordei passagens do trailer da adaptação cinematográfica que me entusiasmaram e dessa forma fiz as pazes com o autor.
Concluo dizendo que essas páginas finais seriam suficientes para mim. O resto lê-lo-ia se quisesse aprofundar os conhecimentos escassos que tenho sobre Israel, sobre a sua importância para os judeus e sobre rituais, tradições, línguas e outros aspetos culturais e históricos deste povo. Ou seja, se me quisesse debruçar sobre factos e não sobre um romance.

NOTA – 07/10 (sobretudo por causa da já referida parte final da obra)

Apesar de ter consciência de que pode ser contraproducente, deixo-vos o trailer da adaptação cinematográfica – penso que o filme deve ser fabuloso!



Sinopse
Farsa e dor, história e humanidade integram este retrato mágico de um escritor que testemunhou o nascimento de uma nação.
Amor e trevas são duas poderosas forças que se cruzam e acompanham a história de Amos Oz, que nos guia numa fascinante viagem ao longo dos 120 anos de história da sua família e dos seus paradoxos.
Um relato impregnado de ruído e fúria, nostalgia, perda e solidão. Em busca das raízes remotas da sua tragédia familiar, Amos Oz desvenda segredos e "esqueletos" de quatro gerações de sonhadores, intelectuais, homens de negócios fracassados, reformistas, sedutores antiquados e rebeldes ovelhas negras. Uma ampla galeria de grotescos, patéticos, ingénuos, trágicos e extravagantes personagens, homens e mulheres, todos eles participantes do cocktail genético e das circunstâncias quase surrealistas do nascimento do homem que um inevitável momento de revelação transforma em romancista.

Um relato escrito na primeira pessoa por um homem que testemunhou o nascimento do seu país e que viveu na íntegra a sua turbulenta história. Celebridades históricas materializam-se em personagens autênticos, de David Ben-Gurion, um dos fundadores do Estado de Israel, ao lendário líder das organizações clandestinas e primeiro-ministro Menahem Begin, passando pelo gigante da poesia hebraica moderna, Saul Tchernichovsky , ou o laureado com o Nobel de Literatura, S. Y. Agnon.

10 comentários:

  1. Ana, comigo também já aconteceu várias vezes dececionar-me com um livro...muito por causa do meu entusiasmo prévio. Eu adorei este livro, mas concedo que algumas descrições são muito pormenorizadas, demoradas e algo aborrecidas. No meu caso, não foi problema, pois adoro descrições :) E a vontade de continuar a ler Amos Oz continua. Desejo-te melhores leituras futuras! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia, eu também gosto de descrições, mas desta vez não reagi bem às que fui lendo ao longo desta obra... Talvez porque fazem parte de uma realidade que sinto que é distante e desconhecida para mim... Compreendo que se Israel fosse um destino que me atraísse, de certeza que me identificaria muito mais com a obra, o autor e a contextualização da mesma.
      Contudo, não posso dizer que não gostei da escrita de Amos OZ ;)
      Beijinhos e leituras com muito sabor!

      Eliminar
  2. Olá Ana
    Nunca li nadado autor mas quero fazê-lo, embora não deva começar por este livro.
    É por isso que não gosto de desistir dos livros, pode sempre surpreender em algum momento e mudar tudo.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sara!
      Também detesto desistir de uma leitura e só o faço muito raramente, quando já lhe dei todas as hipóteses.
      Acho que deves tentar ler algo deste autor. Eu também devo fazê-lo futuramente!
      Beijinhos e leituras com muito sabor!

      Eliminar
  3. Vivi sensações semelhantes quando li este livro. Esperava muito mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :( Frustração... Mas não foi tempo perdido, pelo menos isso...
      Beijinhos e leituras com muito sabor!

      Eliminar
  4. Olá Ana,
    Já vi este livro por aí, mas tenho visto algumas opiniões controversas. Tenho tido algum receio em pegar-lhe, mas gostei muito da tua opinião.
    Vou tentar dar-lhe uma oportunidade. O problema é mesmo a minha relação com os calhamaços :)
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Isa!
      Não é uma leitura fácil, nem fluída, pelas razões que explico na texto que escrevi. Nem sei se to aconselho por essas razões e por ser um verdadeiro calhamaço... Tu depois verás se vale a pena!
      Beijinhos e leituras com muito sabor!

      Eliminar
  5. Pelo trailer, o filme deve ser arrebatador. Se calhar, é daqueles poucos casos em que o filme é melhor que o livro, não?
    Do Amos Oz comecei a ler A Terceira Condição e pareceu-me interessante, mas tive de o pousar temporariamente para lhe pegar numa altura em que me possa concentrar mais nele. Há dias em que só me apetece ler livros de mulheres ou sobre mulheres e não há nada a fazer!
    Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula, o trailer é realmente arrebatador, como tu dizes, e, por essa razão, quero mesmo ver o filme! A ver se as expectativas não saem goradas...
      Sei que tenho que dar outra oportunidade a Amos Oz, talvez o faça com a obra que mencionas.
      Quanto a livros de mulheres, sobre mulheres e para mulheres... Como é óbvio também tenho uma evidente predilecção pelos mesmos ;) Como poderia não ter com autoras tão fantásticas que povoam a literatura nacional e internacional?
      Beijinhos e leituras com muito sabor!

      Eliminar