Balanço mensal - livros lidos e adquiridos/oferecidos em fevereiro


O tempo corre curto para leituras e acima de tudo para escrever sobre leituras. No mês mais curto do ano li seis obras no total, umas compridinhas e outras bem curtinhas. Voltei a intervalar obras adultas com obras infantis e obras provenientes da minha estante com obras que vêm da biblioteca passar uns dias cá em casa.
Ainda não foi este mês que tive nas mãos uma narrativa que me arrebatasse. Li obras que me deixaram bem quentinha, que me agasalharam e deixaram um travo de saciedade, mas nenhuma delas merecedoras de nota máxima. Consequências de uma exigência cada vez maior e que castra intenções e expectativas…
Abri fevereiro lendo em espanhol e regressando aos ambientes bélicos que tanto me apaixonam. Cartas a Palacio parte da neutralidade de Espanha face ao conflito dos anos de 1914-1918 e de um gabinete de ajuda a combatentes/refugiados e seus familiares que o rei D. Afonso XIII criou após ter recebido uma carta de uma menina francesa a pedir-lhe auxílio para saber o que havia acontecido ao seu irmão, desaparecido em combate. A este contexto histórico, o autor acrescenta um punhado de personagens fictícias que traz cor e vivacidade a uma narrativa interessante e que cativa.
Seguindo as recomendações de familiares e colegas de trabalho, entrei em grande no mundo das letras de mais um belíssimo autor português – J. Rentes de Carvalho. Em Ernestina, a sua obra mais autobiográfica, senti que o autor me pegou pela mão e me guiou numa viagem de volta à infância e à adolescência de gentes do norte, de gentes simples, de gentes com pouca escolaridade, de modos bruscos, de mimos rudes, mas que moldam a vida dos seus descendentes de modo indelével.
A terceira obra (e que viajou da biblioteca municipal cá para casa na companhia de Ernestina) foi mais uma estreia. Já havia lido alguns artigos e citações de Rosa Montero, mas nunca tinha pegado em nenhuma obra sua. Fi-lo então com a coletânea de contos – Amantes e Inimigos – e saboreei com tanto prazer alguns deles que tenho futuramente de ler mais coisas escritas por esta autora.
A última obra “adulta” lida em fevereiro também veio da biblioteca e foi outra estreia. Trouxe-a baseando-me num impulso e não posso dizer que esteja arrependida de ter seguido esse impulso, pois Segredos do Passado possui uma intriga suculenta, com uma teia familiar que nos enreda e que nos faz querer não sair da mesma enquanto não satisfizermos toda a nossa gula. É certo que a história protagonizada por Claire e Roanie não me saciou completamente, não atingiu os patamares alcançados, por exemplo, por obras de Kate Morton ou de Barbara e Stephanie Keating, mas abriu portas do universo de uma autora que ainda não conhecia e que pretendo continuar a conhecer.
Este mês continuei a intercalar ficção adulta com ficção infantil. Prossegui na leitura das peripécias futebolísticas de Rodrigo e Rafael, os heróis da coleção que partilho com o filhote e aventurei-me, lendo em francês uma historiazinha deliciosa de um ursinho e do seu barquito. Foi uma leitura ternurenta e ao mesmo tempo desafiante porque deixei de contactar com a língua francesa há mais de vinte anos e não sabia como a experiência iria correr. Contudo, admito que entendi tudinho talvez porque Le petit bateau de petit ours tem muito pouquinho texto, muitas ideias que se vão repetindo e apenas 40 páginas, nas quais a ilustração é rainha e senhora.
No que diz respeito aos últimos inquilinos da estante e que apenas moram nela há poucos dias, há que referir que são bem menos do que aqueles que a habitam desde janeiro. Também não seria de esperar outra coisa, tendo em conta o número quase astronómico dos livros recebidos e adquiridos no primeiro mês do ano. Sendo assim e aproveitando, por um lado, uma data festiva comum aos dois adultos da casa e por outro, dicas preciosíssimas que tenho encontrado no Goodreads, adquirimos dois livrinhos, pequenos em tamanho, mas que prometem viagens muito apetitosas – O Retorno, de Dulce Maria Cardoso, ao período conturbado do pós-25 de abril e das consequentes independências das colónias portuguesas em África e O rapaz do caixote de madeira, de Leon Leyson ao conflito que mais nos empolga, ou seja, aos tenebrosos anos da Segunda Grande Guerra. Por fim, caiu na estante uma última “vítima”, resquício do aniversário que celebrei em janeiro. O pecado de Porto Negro, de Norberto Morais fazia parte da minha wishlist, foi finalista do prémio Leya e promete uma narrativa fogosa, estimulante, com histórias dentro da história e que de certeza vai exigir de mim, tal como eu tanto gosto.
Balanço feito. Com vários dias de atraso, mas feito. Espero que o vosso mês tenha sido farto, que partilhem comigo essa fartura (farta ou não) e que março, que já caminha determinado em direção a dias mais luminosos e mais quentes, seja abençoado com leituras saborosas, inesquecíveis.
Deixo-vos, como é habitual, os links para acederem à opinião completa das obras lidas este mês:
§  Cartas a Palacio, de Jorge Díaz
§  Ernestina, de J. Rentes de Carvalho
§  Amantes e Inimigos, de Rosa Montero
§  Segredos do Passado, de Deborah Smith
§  Manobra Tática, de Gerard van Gemert
§  Le petit bateau de petit ours, de Eva Bunting (opinião em breve)

4 comentários:

  1. Mas 8/10 e 9/10 não é nada mau... As minhas duas últimas leituras estiveram bastantes furos abaixo, por isso, tive de ir comprar três apostas certas para me animar: O Czar do Amor e do Tecno, A Trégua e Nada. Já li a tua opinião destes dois últimos, por isso, estou cheia de fé!
    Li o Retorno no ano passado e outros dois livros da Dulce Maria Cardoso e ela passou a ser a minha escritora portuguesa preferida. É tão crua e tão lírica ao mesmo tempo, é admirável!
    Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Paula!
      Eu é que sou demasiado exigente e ando sempre à cata do 10/10... Mas já o encontrei e adivinha quem mo ofereceu?... Aquela autora genial de que tanto gostamos!
      Espero que "Nada" e "A trégua" te encham as medidas! Também quero muito ler "O czar do amor e do tecno".
      Se Dulce Maria Cardoso é a tua autora portuguesa preferida, mais vontadinha tenho de ler os romances dela!
      Beijinhos e leituras muito saborosas!

      Eliminar
  2. Olá Ana,
    Foi um mês muito bom. Conseguiste ler 6 livros. É muito bom.
    E quero ler "O Retorno"!! Muito mesmo.
    Depois quero saber da tua opinião. Aliás quero saber todas as tuas opiniões ;)
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Isa, foi um mês muito bom, tendo em conta a correria dos últimos tempos.
      Tens que esperar um pouquinho pelo que vou dizer sobre o "Retorno";). Só devo lê-lo daqui a uns meses. Mas sei que me vai agradar! Só espero que muito!
      Beijinhos e leituras muito saborosas!

      Eliminar